O LEGADO DA DESPOLITIZAÇÃO

11 02 2014

protestos

Vejam que interessante: a internet e as redes sociais deixaram muita gente deslumbrada. Falava-se em uma “revolução”, muita gente dizia que partidos e sindicatos eram coisa do passado. “O Gigante acordou” (e odeia bandeiras vermelhas).

As manifestações do Movimento Passe Livre (este sim, sério, com muita estrada já percorrida, de esquerda, com visão lúcida sobre a sociedade) ganharam apoio de milhares de pessoas com a brutal repressão sofrida em São Paulo em abril de 2013.

Então, muitas pessoas que nunca tinham saído às ruas, que foram ensinadas desde pequenas a detestar sindicatos e movimentos sociais, resolveram protestar também, em estado de indignação difusa. Mas ao invés de procurar entender o que estava acontecendo, ao invés de procurar aprender ou dialogar com jovens e velhos militantes, preferiram afirmar seus preconceitos formados pela Veja e Globo e transformar a história do Brasil em távola rasa. Ignorar tudo o que nos formou e começar do zero. Haveria um malvado grupo de monstrinhos chamados “políticos corruptos”. Bastava extirpar essa malvadeza que tudo começaria a funcionar bem – afinal, o sistema em que vivemos é ótimo, não? Só há problemas com políticos, um estranho grupo que veio não sei de onde, sem apoio de ninguém, para usurpar nosso país. Pra que tentar entender como se elege uma bancada ruralista? Pra que tentar entender como os bancos, as empreiteiras e as empresas de mídia mantém parte do Congresso, Governo e Judiciário em suas mãos? Nada disso! Basta gritar as palavras mágicas: basta de corrupção!

Esquerda e direita, luta de classes, luta anticapitalista – temas no centro dos debates dos movimentos sociais nas ruas da Europa hoje – aqui no Brasil foram descartados como velharias por muita gente que tentou se firmar como “liderança” das manifestações (com direito até a uma capa vergonhosa na Veja).

A internet resolveria tudo: tomada de decisões, formulação de propostas, convocações para marchas sem objetivos definidos, votações tresloucadas coletando votos para pena de morte, volta da ditadura etc. E um aprendizado político em velocidade relâmpago!

Qual foi o resultado? Façam uma experiência: passeiem pelos grupos aqui desta rede social criados para o debate político – do tipo “Política no Currículo”, “Liberdade de Expressão Roraima”, “Reforma Política”, “Voto Consciente”.

Não há debate algum lá. Não se ultrapassou o limite da superficialidade, da alienação política, da despolitização.

Restam milhares de anúncios repetidos do tipo “Ganhe dinheiro com a internet”, “Cobro R$ 100 por mil likes no seu anúncio” ou “Empréstimo na hora”. E o mais bizarro: algumas pessoas bajulando os donos do poder local, tentando nos convencer que nosso estado de Roraima é um pedacinho do céu e que nossos governantes não poderiam ser melhores. Não vou nem falar daqueles bem partidários do tipo “Chega de Corrupção”, que só enxergam corrupção em um único partido…

Se depender de tanta gente que desqualificou a luta sindical e partidária, dizendo que “não existe mais direita e esquerda”, não temos como esperar um resultado muito diferente nas eleições estaduais deste ano.

Anúncios