A trepidante política cultural de nosso estado

31 10 2011

Sábado passado resolvi dar uma de turista. Passei pelas principais atrações culturais e esportivas da cidade. Não cheguei muito perto do Canarinho – confesso que não sou corajoso a ponto de entrar em edifícios condenados.

Já no desconjuntado Teatro Carlos Gomes, que já teve dias melhores, tirei algumas fotos. Vê-se que a programação do teatro está “bombando”.

Já cheio de orgulho e gratidão pelo excelente trabalho de nossas autoridades estaduais e municipais, dirigi-me ao Palácio da Cultura Nenê Macagge, mas estava fechado. Lembrei-me de que não se encontra para aquisição um único livro de Nenê Macagge, nossa maior escritora. Simplesmente, seus livros não são reeditados. Mas para quê, né? Basta ver as capas dos livros pela vitrine que montaram no Palácio da Cultura.

Dizia a Folha de Boa Vista em 25 de fevereiro de 2011: “Durante o ensaio para a colação de formatura de dez turmas da Universidade Federal de Roraima (UFRR), que aconteceria na noite de ontem, uma parte do forro do auditório desabou.” (para ver a matéria e a foto do teto caído, vá em http://www.folhabv.com.br/noticia.php?id=104110&sms_ss=facebook&at_xt=4d67b1660fdf698e%2C0).

Isso mostra o enorme valor que nossos governantes conferem à cultura em nosso estado! Cada vez mais feliz com nossa classe política, caminhei até a Casa de Cultura Madre Leotávia:

Antiga residência do governador do território, Casa de Cultura está abandonada

Não cheguei muito perto, claro, por medo de cair um pedaço do reboco na minha cabeça. Mas essa Casa de Cultura, abandonada há tempos, é o melhor retrato da proposta cultural de nossa classe política. É ou não é?

Em abril de 2010, “o Ministério Público Estadual (MPE) protocolou ação civil pública contra o Estado de Roraima para obrigá-lo a reformar a Casa de Cultura Madre Leotávia Zoller, por descumprimento da legislação estadual no que tange à conservação de patrimônio cultural devidamente tombado como “patrimônio cultural dos roraimenses”.” A notícia está na Folha: http://www.folhabv.com.br/Noticia_Impressa.php?id=100271

Decidi caminhar um pouco no Parque Anauá. Lá encontrei a Escola de Música, super bem conservada, vejam só:

Confiante na competência de nossos gestores culturais, passei pelo ginásio Totozão, interditado há mais de um ano. Como fiquei satisfeito em ver o cuidado que nossas autoridades tem com o dinheiro público. Reportagem da Folha também elogia o bom trabalho dos gestores: http://www.folhabv.com.br/noticia.php?id=94953

Vejam como está bem cuidada a entrada do Ginásio e seu jardim:

Finalizei meu passeio no Museu Integrado de Roraima. O ÚNICO museu do estado está fechado por tempo indeterminado. Um simpático recado na entrada presta contas ao distinto público:

Cartaz na entrada do único museu de RR

Não entendo as críticas que fazem a nossos chefes do executivo, municipal e estadual. Afinal, o trabalho deles é tão bom que o povo os reelegeu! Infelizmente, não podemos reelegê-los de novo.. Que pena. Mas certamente nosso prefeito e nosso governador deixaram marcas profundas em nossa terra. Como Átila, o huno, e o furacão Katrina, suas passagens serão lembradas pela posteridade.

De minha parte fiquei tão emocionado com o trabalho de alta qualidade de nossos gestores que comecei a chorar. De raiva.

Anúncios

Ações

Information

4 responses

31 10 2011
elimacuxi

Chorando contigo, André…
Que boa denúncia, excelente forma de tirar esse blog do marasmo em que andou ultimamente…
Parabéns.

1 11 2011
andreaugfonseca

Obrigado, Eli… Estava um marasmo mesmo, né, rsrsrs… Como a política de nosso Estado.

6 11 2011
Angelita Rocha Malcher Dias

André, sou uma roraimense, a muito tempo ausente, mas sou solidária com vc. já era tempo desses governantes tomarem vergonha na cara e fazerem alguma coisa pelo nosso estado, tantos profissionais competentes que não são ouvidos e nem podem trabalhar pelo estado, pois as oportunidades são dadas para os que vem de fora e não fazem a mesma leitura que nós da Amazônia, não conhecem a nossa realidade e muito menos a nossa cultura dai o descaso, ao citar a tia Nenê Macagge fiquei a lembrar da sua importância na minha infância pois era grande amiga de minha mãe Wanda Briglia, pessoa de bom caráter e do bem merece a homenagem, só não merece o descaso com sua homenagem. Foi bom ler vc.

7 11 2011
andreaugfonseca

Obrigado, Angelita! Temos que fazer mais e mais pessoas refletirem sobre isso e construir alternativas para o estado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: