Polícia Federal prende toda a cúpula do governo estadual!!!

12 09 2010

Na imagem, reunião dos ilustres conselheiros do Tribunal de Contas de Patópolis

Prenderam 18 pessoas, incluindo o governador, o ex-governador, a ex-primeira dama (que tinha uma dessas secretarias picaretas assistencialistas) e o presidente do… TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO. O prefeito da capital e o Presidente da Assembleia Legislativa estão sendo investigados também.

O esquema de desvio de dinheiro público foi de no mínimo 300 milhões, mas pode ultrapassar os 820 milhões, de acordo com a Controladoria Geral da União (CGU). O esquema, que provavelmente gerou recursos para a campanha eleitoral desses larápios, só foi desarticulado pela PF, CGU e Receita após uma investigação de mais de um ano e graças à delação e colaboração de empresários e funcionários envolvidos na armação (parece que alguns não receberam o quinhão prometido do butim, e outros não achavam certo o negócio). Inúmeras gravações, imagens, filmagens foram produzidas – a quantidade de provas acumuladas desde agosto de 2009 é avassaladora.

Os bandidos que dominavam o estado diziam que a compra de 200 filtros para as escolas, por exemplo, era “emergencial”; então, compravam de uma única empresa (aquela que aceitava pagar propina) os tais filtros… que eram na verdade apenas tubos de pvc colorido com areia e carvão dentro: não filtram água, apenas contaminam a água que as crianças bebem!

Calma, representantes e puxa-sacos das oligarquias de Roraima… Não foi aqui não, foi lá no Amapá. Mas fiquei muito feliz. Quem sabe a Polícia Federal vem fazer uma visitinha aqui em Roraima?

Vejam as notícias aqui, aqui e aqui.

Responda rápido: qual é o melhor comentário para a notícia acima?

A) Atenção, agentes da polícia federal! Quando vierem a Roraima, tragam uns três boeings 747 para prender a corja toda!
B) Os políticos roraimenses vão processar os amapaenses por plágio?
C) Alguém ainda acredita nos Tribunais de Contas estaduais, cujos chefes são escolhidos por aqueles que deveriam vigiar?





Cuidado para NÃO votar em tipos como este:

1 09 2010

ATENÇÃO: este post é meramente humorístico e totalmente ficcional. Qualquer eventual e extraordinária semelhança com pessoas reais será mera coincidência. O personagem João Bafo de Onça está sendo utilizado para uma crítica genérica a políticos corruptos. Como se sabe, por absoluta falta de provas, não existe nenhum político corrupto em Roraima. Assim, fica tudo dito pelo não dito – ou vice-versa.

O personagem foi escolhido por ter um rostinho que inspira confiança, por apresentar ficha limpa, como sempre acontece em Patópolis, e por ter uma conduta gentil e ilibada.

Infelizmente, em Patópolis, o responsável por investigar políticos corruptos é o Pateta e os processos são julgados pelo Vovô Metralha.

Em Patópolis, o governador deixa abandonados diversos prédios públicos, que apodrecem e se acabam, e depois aluga imóveis do deputado Bafo de Onça. O dinheiro dos impostos paga a reforma do imóvel pertencente ao Bafo de Onça. E em seguida o Bafo de Onça instala seu comitê eleitoral no prédio reformado às custas dos cofres públicos de Patópolis.

Quando algum cidadão de Patópolis é flagrado em tramoia da grossa, corrupção braba mesmo, as autoridades são implacáveis: nomeiam imediatamente o sujeito como conselheiro do Tribunal de Contas de Patópolis.

As estradas de Patópolis são horríveis, mas um departamento de estradas de rodagem tinha um criatório de gafanhotos, veja só! Quando a história veio à tona, o departamento foi fechado. Mas ninguém foi punido.

Nesse mundo sem pé nem cabeça dos gibis, a esposa do Bafo de Onça tem cargo de chefia no hospital público – ou na secretaria de educação de Patópolis, não me lembro bem – e ordena a funcionários que façam campanha para o Bafo (em horário de serviço). Veículos, repartições e servidores pagos pelo erário de Patópolis são usados para distribuir santinhos (como esse que aparece acima), dinheiro e favores aos eleitores. Assim, provavelmente Bafo de Onça será o deputado mais votado da história de Patópolis – a cidade dos patos.