Congresso dos estudantes da UFRR? Tem certeza?

12 11 2009

Olha, eu queria saber se é verdade mesmo o que ouvi por aqui. Houve um congresso dos estudantes da UFRR. OK, os cartazes e painéis espalhados pelo campus e pela cidade eram pra lá de esquisitos, com aquelas meninas fantasiadas de patricinhas, empunhando ora um megafone, ora uma bandeira com o símbolo da reciclagem, como se isso fosse a coisa mais “irada”, “radical” e subversiva do momento.

Parecia haver uma confusão de referências: alguém disse que a intenção era fazer uma referência às lutas de 68. Mas aquele visual simbolizaria justamente o tipo de gente, de comportamento que era alvo dos movimentos da contracultura! Quem marchava contra a guerra do Vietnã, quem apoiava os Panteras Negras, quem apoiava a luta pelos direitos civis, quem enfrentava os tanques em Praga, quem marchava no enterro do Edson Luís não se vestia daquele jeito, pelamordedeus!

Nenhum dos meus alunos se reconhecia naquela caricatura de juventude mostrada nos cartazes do tal congresso.

Agora, mais um choque: alguns alunos que participaram do congresso me disseram que o eventou foi aberto com a fala de… Mozarildo Cavalcante e Anchieta Jr.!!!! Não satisfeita com isso, a organização do Congresso teria ainda colocado em votação (vitoriosamente) a redução da representação estudantil para 15 ou 17% na eleição para reitor.

Amigos, colegas, por favor, me digam: é mentira, né? Isso não aconteceu, né? O DCE não transformou a UFRR na única universidade do mundo em que os estudantes pedem para reduzir sua participação, seus direitos, seu poder de voto? O único lugar do mundo em que um Diretório de Estudantes só chama gente da direita, classe dominante, dos responsáveis por todo o descalabro, por toda a injustiça, para dizer aos jovens como devem agir?

Isso só pode ser um pesadelo!





Qual é a cara de Roraima?

11 11 2009

Em outubro, o SEBRAE-RR lançou uma campanha em out-doors, aproveitando a comemoração do aniversário do estado. A mensagem dizia que o estado de Roraima nasceu no dia da pequena empresa. À esquerda, a imagem de um lindo e saudável bebê. Louro e de olhos azuis.

A Assembleia Legislativa também fez uma campanha em vários out-doors convidando a população a opinar na revisão da constituição estadual. Os painéis colocados em pontos estratégicos mostram três jovens – todos louros.

Não vou discutir o mérito das duas campanhas – não acredito que deputados que nunca promoveram campanhas em torno de programas e projetos venham agora discutir seriamente qualquer assunto de interesse coletivo.

O que me intriga é a forma como a classe dominante vê a sociedade roraimense. Não há espaço para o índio, para o negro, para o mestiço, para o maranhense que é a cara da herança indígena e negra da região. Parece que o sonho de quem produz essa publicidade é mudar de povo, né? Quem sabe um povo mais assim, digamos, escandinavo?