O Maranhão e o legado de 45 anos do coronelismo de Sarney

25 07 2009

Sarney e a ética - Leo

Essa eu vi no blog do Avery e gostei muito. “Para nascer, Maternidade Marly Sarney. Para morar, escolha uma das vilas: Sarney, Sarney Filho, Kiola Sarney ou, Roseana Sarney. Para estudar, há as seguintes opções de escolas: Sarney Neto, Roseana Sarney, Fernando Sarney, Marly Sarney e José Sarney.

Para pesquisar, apanhe um táxi no Posto de Saúde Marly Sarney e vá até a Biblioteca José Sarney, que fica na maior universidade particular do Estado do Maranhão, que o povo jura que pertence a um tal de José Sarney;

Para inteirar-se das notícias, leia o jornal “O Estado do Maranhão”, ou ligue a TV na “TV Mirante”, ou, se preferir ouvir rádio, sintonize as Rádios Mirante AM e FM, todas do tal José Sarney. Se estiver no interior do Estado ligue para uma das 35 emissoras de rádio ou 13 repetidoras da TV Mirante, todas do mesmo proprietário.

Para saber sobre as contas públicas, vá ao Tribunal de Contas Roseana Murad Sarney (recém batizado com esse nome, o que é proibido pela Constituição, coisa que no Estado do Maranhão não tem nenhum valor).

Para entrar ou sair da cidade, atravesse a Ponte José Sarney, pegue a Avenida José Sarney, vá até a Rodoviária Kiola Sarney. Lá, se quiser, pegue um ônibus caindo aos pedaços, ande algumas horas pelas ‘maravilhosas’ rodovias maranhenses e aporte no município José Sarney.

Não gostou de nada disso? Então quer reclamar? Vá, então, ao Fórum José Sarney, procure a Sala de Imprensa Marly Sarney, informe-se e dirija-se à Sala de Defensoria Pública Kiola Sarney…

Seria cômico se não fosse tão triste….

E quando o Zé Sarney morrer…. o Maranhão fica para seus filhos ou volta para o povo????

Quando José Sarney (Presidente do Senado do Brasil) morrer…certamente irão trocar o nome do Maranhão”.





Honduras resiste! Mas porque toda a mídia distorce o que está acontecendo por lá?

21 07 2009

GHparogenerallimprimircolor

GHCesar_Ham

GHategucigalpa_1024x700

Como amostra do repúdio internacional aos golpistas, estes cartazes foram produzidos por voluntários de diferentes países. Reproduzi esse material de http://ceticosantitermidorianos.blogspot.com/.

Mas por que a mídia brasileira insiste em dizer que o presidente violou a constituição ao convocar um plebiscito para estender seu mandato? Ignorância, má fé ou reflexo condicionado diante de qualquer governo que não diga amém automaticamente ao neoliberalismo e à hegemonia dos EUA?

Um relato escrito pela ex-secretária de comunicação de Allende parece ser o primeiro que tenta explicar o que está acontecendo em Honduras:

“O pecado de Zelaya

Manuel Zelaya disputou a eleição pelo Partido Liberal, que é um dos dois partidos políticos tradicionais de Honduras que se alternam no governo nos períodos em que não há ditaduras. Embora ambas as coletividades possam incluir-se na direita política, o Partido Liberal tem assumido há alguns anos uma linha progressista e inclusive pertence à socialdemocrata Internacional Socialista. Zelaya teve desde o começo a oposição dos meios de comunicação que pertencem, sem exceção, à direita política, ganhou a eleição por uma margem de votos não muito grande para o seu rival do Partido Nacional e foi ratificado como presidente depois da visita intervencionista de uma enviada do então presidente Bush.

Uma vez no governo, a gestão do mandatário se orientou para a busca de uma maior justiça social, o que produziu uma forte oposição de seus adversários políticos e inclusive de alguns personagens de seu partido. Seu mais encarniçado rival tem sido Roberto Micheletti, presidente do Congresso que, hoje, graças ao golpe, pode ostentar-se como presidente. Micheletti é um presidenciável frustrado, perdeu todas as vezes que aspirou a ser candidato de seu partido ao cargo mais importante do país. Foi derrotado por Zelaya e também por quem agora postula o cargo nas eleições previstas para 29 de novembro próximo.

Às distintas medidas postas em prática por Zelaya se agregou uma, baseada na Lei de Participação Cidadã, promulgada no seu governo. Essa lei assinala que os cidadãos podem pedir ao presidente que se faça uma consulta cidadã, que não é vinculante, sobre o tema que avaliem como de seu interesse. Mais de 400 mil pessoas solicitaram que se consultasse a opinião das pessoas sobre uma Assembléia Constituinte. Essas consultas, segundo a lei, devem ser feitas pelo Instituto Nacional de Estatística e não têm outro objetivo que o de conhecer o que o cidadão comum pensa sobre o tema de que se trate.

Isso é o que ia ser consultado no dia em que houve o golpe de estado. A pergunta concreta era:

“Você está de acordo que nas eleições gerais de novembro de 2009 se instale uma Quarta Urna na qual o povo decida a convocatória de uma Assembléia Constituinte?”

“Sim…….Não……”

A Quarta Urna era a que seria agregada às três urnas em que se deposita o voto nas eleições gerais; delas, uma é para a votação para presidente da República, outra para parlamentares e a terceira, para prefeitos e vereadores. O mandato de Zelaya termina em janeiro, de modo que tudo o que for relativo à eventual convocatória de uma Assembléia Constituinte seria algo que teria a ver com seu sucessor ; portanto, nem sequer existia um projeto que considerasse a reeleição presidencial nem nenhuma outra matéria relativa ao tema.

O motivo pelo qual se desatou o problema é muito diferente. Honduras tem uma Constituição promulgada em 1982, sob um regime ditatorial do general Policarpo Paz Garcia e nela os 8 primeiros artigos são declarados “cláusulas pétreas”, isso quer dizer que não podem nunca serem modificados. A razão é uma só: são os que determinam um tipo de governo autoritário e defensor dos interesses de determinados setores, que não estão dispostos a perder o poder. E aquele que tente mudar a constituição é considerado “traidor da pátria”.”

* * *

Isso deixa muitas perguntas no ar:

Uma constituição imposta por uma ditadura é legítima? Não se pode alterá-la no todo ou em parte?

Se realmente se decidir por um plebiscito que seja permitida a reeleição (que somente seria válida para o sucessor do atual presidente), esse procedimento não seria mil vezes mais democrático e moralmente correto do que a forma como o Príncipe dos Sociólogos impôs a reeleição no Brasil?

Por que não se divulga que Michletti (o presidente golpista) concorreu várias vezes à presidência, só conseguindo “chegar lá” por meio de um golpe?

Por que a mídia brasileira não explica que a consulta popular não tinha poder vinculante?

Nossos meios de comunicação são tão objetivos e imparciais, não são?

Leia o texto integral em http://www.socialismo.org.br/portal/internacional/38-artigo/1016-ex-secretaria-de-allende-golpe-e-advertencia-para-america-latina-





Yeda Crusius: por que ela ainda é governadora do RS?

21 07 2009

(reproduzido de http://ceticosantitermidorianos.blogspot.com/)

A última da governadora Yeda está entalada em milhares de gargantas. Diante de um protesto de professores do CPERS contra a falta de vagas e estrutura nas escolas (as chamadas aulas em containers, que estão sendo investigadas pelo Ministério Público Federal), a governadora atacou os manifestantes, chamando-os de “torturadores”. Visando dar uma resposta a altura para essa declaração infeliz de Yeda Crusius, o Movimento pela Abertura dos Arquivos da Ditadura – RS lançou hoje uma carta aberta para a governadora, exigindo retratação de suas declarações e deixando bem claro que os verdadeiros “torturadores” são aqueles que cortam verbas da educação pública. Reproduzimos aqui, na íntegra, a carta do Movimento e solicitamos aos leitores que a divulguem.

—————————-

Exma. Sra. Governadora do Estado do Rio Grande do Sul,

Yeda Crusius

O Movimento Pela Abertura dos Arquivos da Ditadura toma a iniciativa de escrever-lhe esta carta, em referência ao cartaz que a senhora escreveu ontem pela manhã, dia 16 de julho de 2009, e apresentou aos fotógrafos de órgãos de imprensa de todo o país. A sua declaração, de que aquelas pessoas que ali estavam não eram professores, mas “torturadores”, atinge não somente aqueles professores, que estão em seu pleno direito de reivindicar melhores salários e condições de trabalho, mas também todos os cidadãos brasileiros, vítimas diretas ou indiretas dos crimes cometidos por torturadores ao longo da história do Brasil. A utilização deste termo é uma prova da total falta de conhecimento histórico da senhora, e mais: um grande desrespeito à memória do país, que recentemente passou por um período de ditadura, não só militar, mas com contribuição de muitos civis, muitos hoje acusados de terem, esses sim, torturado pessoas. Com sua declaração, a senhora ignorou totalmente a carga histórica que o conceito de “torturador” carrega. A senhora já ouviu o depoimento de alguém que tenha sofrido, verdadeiramente, uma tortura? Estas pessoas merecem o nosso respeito, o que não observamos na sua atitude.

Isso corrobora para o que estamos chamando atenção há tempos: a utilização inadequeada de adjetivos, sem conhecer seu teor histórico, sem valor explicativo, e usado de forma pejorativa e impune. Isso acontece, também, com o conceito de “terrorista”, que é utilizado para a luta armada brasileira, mas nunca atribuído às ações do aparato repressivo do Estado – ainda não desmontado, julgado e condenado – e com grupos para-militares, como o CCC, sigla que ainda hoje circula na sociedade brasileira, e é lembrada como o grande grupo que combatia o comunismo, sem saber de fato o que aquele grupo fez no Brasil.

A sua atitude se assemelha à dos torturadores e repressores, na medida em que, assim como as balas, as palavras ferem, e vêm justamente do lugar que deveria tomar conta de todos os cidadãos, independente de posicionamento político: o Estado. A senhora comparou uma classe trabalhadora, que exercia um direito que fora suprimido por mais de 20 anos, àqueles responsáveis pela supressão do mesmo. Comparou-os a pessoas que cometeram crimes, e que estão por aí, impunes. Isto, senhora governadora, é considerado calúnia, segundo as leis do Estado que a senhora representa.

A senhora sentiu-se intimidada pela manifestação que impediu o direito de ir e vir de seus netos. A senhora sabe que durante os anos 1960, 1970 e 1980, vigoraram no Cone Sul ditaduras civil-militares que sequestraram, torturaram, desapareceram, mataram e apropriaram-se de crianças? Na Argentina, por exemplo, há mais de 500 crianças desaparecidas. Apenas 91 tiveram sua identidade restituída. A senhora sabe como isto foi feito? Através de lutas, confrontos, manifestações, como esta, que se realizava em frente a sua residência.

Seus netos, senhora governadora, provalvemente não saibam o estado em que se encontra a educação pública no Rio Grande do Sul, pois devem frequentar os melhores e mais caros colégios em Porto Alegre. Seus netos não devem fazer idéia do que seja passar trimestres, às vezes anos, sem uma disciplina, por falta de professor; ou estudarem em turmas com 50 alunos, por causa do enturmamento promovido pela senhora; ou enfrentarem as condições precárias em que se encontram muitas escolas; ou não possuírem uma boa educação por falta de recursos; ou encontrarem professores desmotivados pela miséria que é paga todos os meses. Estes sim, são torturados.

Senhora governadora, por todos esses motivos expostos nós, do Movimento Pela Abertura dos Arquivos da Ditadura, escrevemos esta carta com o objetivo de solicitar uma retratação pública da senhora, em frente às câmeras de televisão, para com todos os cidadãos brasileiros, que de uma forma ou de outra, sabem exatamente o que signifca o termo “torturado”. Pedimos que a senhora tome essa atitude, em nome de todas as verdadeiras vítimas de crimes de tortura cometidos no Brasil, seja durante a ditadura civil-militar, seja ainda hoje em dia, pelo Estado.

Esta carta seguirá com cópia para órgãos de imprensa e endereços eletrônicos que quiserem publicá-la.

Assinado: MOVIMENTO PELA ABERTURA DOS ARQUIVOS DA DITADURA-RS

Porto Alegre, 17 de julho de 2009





Quem quer ser milionário???

10 07 2009

O que é um partido?Eis aí. O que é um partido? Simples balcão, mero comitê eleitoral, para funcionar de dois em dois anos? Unicamente uma formalidade exigida para tentar-se realizar um projeto pessoal, de enriquecimento pessoal?

Não era para ser um coletivo de discussão de ideias e projetos para a coletividade? Não deveria aglutinar pessoas em torno de um programa, para disputar espaço com outros programas, outras propostas?

Triste que isso ocorra em um partido que tem história, que já foi importante para a esquerda brasileira. O partido de Miguel Arraes. Muito triste.





Impérios coloniais: jogo didático

10 07 2009

Ataque pirata no estreito de Málaca!As metrópoles europeiasNeste semestre, ministrei uma oficina sobre recursos didáticos na UFRR. O público era de aunos do dep. de História (UFRR e UERR). Utilizamos os mapas conceituais e um jogo que criei para ensinar História Moderna, mercantilismo, Antigo Regime, colonialismo etc. Acho que o pessoal gostou… Neste sábado, jogarei o Impérios Coloniais com os amigos. Aqui, algumas fotos do jogo, durante a oficina.





Enquete – Transporte público moderno e de qualidade: um sonho distante para o boa-vistense

7 07 2009

O transporte coletivo, em muitas cidades pelo mundo afora, é eficiente, rápido e barato, concretizando a tão falada liberdade de ir e vir e diminuindo a pressão do transporte individual (automóvel) sobre o meio-ambiente e o sistema viário. E em Boa Vista, como vai a coisa?

Será que até a Venezuela vai ter um transporte público melhor que o nosso?
pitoresco ônibus venezuelano





Crie você mesmo sua própria igreja!

7 07 2009

recorte e cole - igrejasBasta recortar e fazer uma combinação aleatória dos termos das colunas 1, 2, 3 e 4.