Jornalismo maroto

8 04 2009

Hoje, na Rede Amazônica, o noticiário regional mencionou o aquartelamento e a greve da PM de Roraima. Entrevistaram o comandante da PM, que explicou que os policiais em greve serão presos por sessenta dias e responderão na Justiça militar por deserção. Entrevistaram alguém do movimento grevista? Algum bombeiro, algum soldado, alguma liderança? Não.

Este é o padrão da grande mídia conservadora. Não foi uma “falha”, um lapso, um deslize. Não é exceção ouvir somente um lado, negando ao outro lado (sempre os movimentos sociais, a contestação do status quo) a voz, o direito à existência mesmo. É como se só existisse sempre uma versão. O outro lado não existe. Exceção é quando essa mídia ouve o outro lado e permite que o leitor ou espectador tenha acesso a uma notícia mais equilibrada.

Somente poucos veículos da mídia seriam capazes de fazer uma perguntinha tão simples quanto óbvia ao comando da PM: ” Senhor comandante, os crimes atribuídos a oficiais serão investigados e punidos com a mesma celeridade?”

Anúncios




O maravilhoso mundo encantado de Gilmar Mendes

3 04 2009

suspeitosAnteontem, Gilmar Mendes saiu-se com esta: indignado com a pecha de protetor dos ricos, disse que o STF não cuida apenas do direito dos ricos. A prova? Ele se deu ao trabalho de contar os habeas-corpus concedidos por aquele tribunal. Foram 350 habeas-corpus concedidos em 2008, e desse total 18 foram concedidos a pessoas pobres, detidas por furtos de objetos insignificantes, como shampoo, sabonete ou pasta de dentes.

O raciocínio de Gilmar Mendes é esse: 5 % dos HC concedidos pelo STF beneficiaram pessoas pobres; logo, não se trata de justiça de classe.

Por esse raciocínio, só 5% dos brasileiros são pobres. Os outros 95% são ricos. Gente, eu quero viver no país do Gilmar Mendes!

O STF não merecia um presidente desses. Ele parece empenhado em tornar o tal do “Pretório Excelso” em motivo de chacota pelo país inteiro.