11 propostas para uma Reforma Política Maximalista: #4 Fim do horário eleitoral gratuito

6 08 2017

Novas Cartas Persas

Até a reforma eleitoral de 2015, o tempo de horário eleitoral era gigantesco. E, para ocupar tantos segundos, era preciso dinheiro, muito dinheiro. Não é tão fácil como pode parecer produzir conteúdo para ocupar dois, três ou 15 minutos de propaganda política. E quanto mais cara a produção, maior sua chance de ser eleito. Assim, os candidatos/partidos entraram numa espiral de gastos em que o céu – ou a Lava Jato – era o limite. Depois da reforma, reduziu-se bastante o período e duração do horário eleitoral gratuito.

Horário eleitoral 2 - Politize.png

Infográfico que o Politize! desenhou para todo mundo entender o Horário eleitoral (clique para ampliar)

Um fator negativo derivado das regras de distribuição do tempo de TV e rádio, é que as condições de disputa são desiguais, e o princípio de isonomia é prejudicado. Assim como na divisão do fundo partidário, a divisão do tempo de rádio e TV também…

Ver o post original 1.186 mais palavras

Anúncios




11 propostas para uma Reforma Política Maximalista: #3 Mecanismos de democratização do fundo partidário e incentivo de doação cidadã

6 08 2017

Fonte: 11 propostas para uma Reforma Política Maximalista: #3 Mecanismos de democratização do fundo partidário e incentivo de doação cidadã





João José Reis: DISCURSO EM AGRADECIMENTO AO PRÊMIO MACHADO DE ASSIS ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS, 20 de JULHO de 2017

31 07 2017

conversa de historiadoras

Sou grato aos membros desta Academia por considerar minha obra merecedora do Prêmio Machado de Assis. Sendo um historiador da escravidão (embora não apenas) permitam-me imaginar a concessão do prêmio, quando a Academia cumpre 120 anos, como uma homenagem àqueles dentre os seus fundadores que, entre outros, militaram contra a escravidão — penso em Rui Barbosa, Joaquim Nabuco, José do Patrocínio e, muito especialmente, Machado de Assis, que dá seu nome a este laurel. Neto de escravos, Machado, além de abolicionista arguto, radical, embora discreto, foi a seu modo historiador da escravidão, no que acompanho um de seus mais destacados intérpretes, Sidney Chalhoub, também historiador da escravidão.

Outro historiador, o acadêmico Alberto da Costa e Silva, aqui presente, avaliou perfeita e concisamente o peso desse sistema de trabalho e modo de vida para o Brasil: “A escravidão foi o processo mais importante e profundo de nossa história.” Não podia ser…

Ver o post original 1.492 mais palavras





Sobre a BNCC e os historiadores

19 11 2016

Importante contribuição da Professora Hebe Mattos para o debate da BNCC.

conversa de historiadoras

(por Hebe Mattos)

É com preocupação que tenho acompanhado a reação indignada, predominante em alguns círculos historiográficos, à divulgação, para consulta pública, do texto de história da Base Nacional Curricular Comum (BNCC), em elaboração no MEC. Como todos os outros textos da base, trata-se de um texto preliminar, aberto à discussão, construído por uma equipe de pesquisadores da área de ensino da disciplina em questão. Este caráter técnico do recrutamento do grupo de trabalho, efetuado a partir da expertise no campo do ensino da disciplina, tornou possível que o próprio ex-ministro da educação, professor de filosofia e ética da USP, Renato Janine Ribeiro, fosse o primeiro a fazer ressalvas públicas ao texto base de história, em sua conta pessoal no facebook.  Um comentário postado por ele teve grande repercussão na imprensa.

“O documento entregue, porém, na sua primeira versão ignorava quase por completo o que não fosse Brasil e…

Ver o post original 1.115 mais palavras





Tem eleição para o King of the Kings também! Vamos à terceira seletiva!

4 10 2016

Começa hoje a terceira seletiva para a final do prêmio King of the Kings-2016, que, como você talvez saiba, desde 2008 reconhece o esforço dos coleguinhas das redações em esculhambar completamente o jornalismo do país.

Coleguinhas, uni-vos!

Não é só na eleição para vereador e prefeito que você tem possiblidade de exercer o direito do voto. Começa hoje a terceira seletiva para a final do prêmio King of the Kings-2016, que, como você talvez saiba, desde 2008 reconhece o esforço dos coleguinhas das redações em esculhambar completamente o jornalismo do país. A finalíssima do prêmio, que já tem 14 concorrentes (veja ao lado), será em janeiro de 2016.
Desta vez, vou fazer um pedido especial. É que o Facebook, por algum motivo que não sei exatamente qual é, mas desconfio, cortou minha possiblidade de impulsionar a publicação, visando que ela chegue ao conhecimento de um número maior de pessoas. Como a plataforma, só apresenta os posts a apenas 4% dos meus amigos e seguidores gratuitamente, eis que o colégio eleitoral fica restrito. Assim, mais do que nunca, preciso que você compartilhe o King of the Kings. Desde…

Ver o post original 230 mais palavras





Formação Histórica do Pará

7 09 2016

O Blog UPA 2.0 (https://ufpadoispontozero.wordpress.com) oferece material riquíssimo gratuitamente para quem deseja conhecer mais sobre história e culturas da Amazônia.

UFPA 2.0

IMG_0001Clique na imagem
para a visualizar a publicação

Formação Histórica do Pará: Obras Reunidas” é mais uma das grandes e valiosas contribuições bibliográficas a respeito da história do Pará feita pelo historiador e escritor Manoel Barata, como assinala na apresentação do livro Aloysio da Costa Chaves, reitor da universidade na época da publicação.

Manoel BarataManoel Barata

Com edição promovida pela Universidade Federal do Pará em 1973, integrando a Coleção Amazônia – Série José Veríssimo, é parte da comemoração do sesquicentenário da adesão do Pará à independência política do Brasil e na oportunidade contam com uma biografia do autor feita por Ernesto Cruz – outro expoente historiador e escritor paraense – e uma transcrição da notícia de sua morte e sepultamento, publicados no jornal “Estado do Pará” em outubro de 1916.

No que diz respeito ao conteúdo do livro, como o próprio título da obra evidencia, trata-se de…

Ver o post original 209 mais palavras





Eleições em Roraima: nada de novo, ainda

15 09 2014

Precisamos investigar por que é tão difícil o avanço do debate político em Roraima. Apesar de termos tanta gente valorosa, inteligente e capaz, falta uma cultura de debate, de criticidade, de questionamento do senso comum. Acre, Amapá e Rondônia também foram territórios federais, mas já há vários anos tem uma sociedade civil mais organizada e movimentos sociais mais robustos, o que faz com que existam alternativas políticas um pouco mais à frente que nossa classe política jurássica. Em Roraima, a discussão política pouco avança e continua rasa como um pires com água que uma formiguinha atravessa com água pela canela, como diria Nelson Rodrigues:
1. Pela enésima vez, vemos em Roraima gente que critica o candidato X por incompetência, graves acusações de corrupção, grilagem de terras, endividamento do estado etc. Mas muitas dessas mesmas pessoas pensam que a única alternativa é o candidato Y, que já estrelou escândalos nacionais de corrupção (Gafanhotos etc.) e tem tantas encrencas com a lei quanto o candidato X. Outros ainda apoiam o vice de X, como se não tivesse nada a ver com tudo o que aconteceu no estado nos últimos anos. Ao serem lembrados do caso Gafanhotos, apoiadores do candidato Y tem a desfaçatez de justificá-lo, dizendo que é normal roubar dinheiro público. Terceiros candidatos, que existem, são ignorados.

2. Há décadas o movimento estudantil sofre com descontinuidade, oportunismo e individualismo; apesar de alguns poucos ativistas que compreendem criticamente o todo e fazem uma luta coerente, outros personagens despontam com cobranças justas (mas pontuais e inconsequentes) para em seguida aliar-se ao que há de pior na política do Estado. A nova versão desse trampolim foi o mimetismo desorientado das manifestações de junho de 2013, desencadeadas em outras capitais por lutas históricas de esquerda como a do MPL, mas que em Roraima agregaram muitas pessoas com ideias extremamente reacionárias sobre criminalização do aborto, criminalização da maconha, mídia, educação, direitos LGBT etc. Ou seja, na contramão de todo o movimento contestatório no mundo. Essas pessoas, que continuam a dizer “que nenhum partido presta”, procuraram vaga imediatamente em qualquer legenda de aluguel para se candidatar ao parlamento (que “não presta”), em 2014.

3. Ainda há enorme relutância em se aceitar princípios republicanos básicos, como o concurso público: a adoção atrasada do concurso público no início dos anos 2000 ainda é vista por muitos como a grande tragédia do estado, e periodicamente aparecem “heróis” propondo emendas constitucionais para trens da alegria que deem estabilidade a pessoas não concursadas.

4. A categoria docente é uma das maiores do estado e tem o maior sindicato de RR. Ainda assim, vários professores votam e militam a favor de candidatos que, ou já massacraram a categoria, ou não assumem absolutamente qualquer compromisso com gestão democrática e financiamento da educação. Temos denúncias gravíssimas de problemas com o próprio Instituto de Previdência dos servidores, mas mesmo assim há pouca cobrança e pouca mobilização (apenas alguns poucos e bravos lutadores de muitos anos, apanhando muita porrada). Resultado: não temos influência no Conselho de Educação nem temos eleições para diretores, um atraso de 30 anos.

5.A bancada de Roraima na Câmara Federal, lamentavelmente, votou majoritariamente contra a PEC do trabalho escravo. Mais um vexame nacional para Roraima. Mas, ao contrário da bobagem do Fiuk, sobre a qual houve milhares de manifestações de repúdio nas redes sociais, praticamente NINGUÉM se importou com o fato de que a maioria de nossa classe política milita CONTRA o combate ao trabalho escravo.

6. As questões da mineração, dos direitos indígenas, da ameaça de uma hidrelétrica no Bem-Querer, a apuração dos escândalos na Saúde, na Educação, no Iteraima, no IPER, dos repetidos escândalos da terceirização, que deveriam estar no centro das atenções, parecem simplesmente não existir. Na maioria das vezes, quem fala sobre estas eleições parece que vive em outro planeta. Apoia A ou B por ser seu amigo, mesmo que esteja em um partido extremamente corrupto. Assim como há dois anos o péssimo transporte público de Boa Vista não foi pauta da campanha municipal. Difícil explicar isso.
Neste ano eleitoral, vemos que a conversa sobre política em Roraima (com raras exceções) continua um diálogo de surdos, que não avançou nem um milímetro em relação à velha idolatria do coronel Ottomar. Mas nem tudo se resume a esse aspecto lamentável da realidade. Alguns grupos de estudantes e professores, de trabalhadores e indígenas, de ativistas LGBT, alguns sindicatos livres, aqui e ali, sustentam um debate que ganha qualidade. Essa luta, que mostra a importância da organização coletiva e a futilidade de tantas manifestações despolitizadas, individualistas e voluntaristas, não vai ter resultados hoje, nesta eleição. Como dizia o narrador de O Germinal, no anticlímax de uma derrota dos trabalhadores, mesmo quando tudo parecia perdido e parecia impossível mudar aquela ordem social:

“Agora, em pleno céu, o sol de abril brilhava em toda sua glória, aquecendo a terra que germinava. Do flanco nutriz brotava a vida, os rebentos desabrochavam em folhas verdes, os campos estremeciam com o brotar da relva. Por todos os lados as sementes cresciam, alongavam-se, furavam a planície, em seu caminho para o calor e a luz. Um transbordamento de seiva escorria sussurrante, o ruído dos germes expandia-se num grande beijo. E ainda, cada vez mais distintamente, como se estivessem mais próximos da superfície, os companheiros cavavam. Aos raios chamejantes do astro rei, naquela manhã de juventude, era daquele rumor que o campo estava cheio. Homens brotavam, um exército negro, vingador, que germinava lentamente nos sulcos da terra, crescendo para as colheitas do século futuro, cuja germinação não tardaria em fazer rebentar a terra” (Emile Zola).

Há potencial, mas precisamos nos organizar e criar uma cultura de debate e formulação de propostas alternativas.

Há potencial, mas precisamos nos organizar e criar uma cultura de debate e formulação de propostas alternativas.